África reclama direitos na ONU

África reclama direitos na ONU

O Vice-Presidente da República reiterou ontem em Nova Iorque a posição de Angola quanto ao direito do continente africano de estar representado entre os membros permanentes do Conselho de Segurança.

Manuel Vicente afirma que esta é uma forma de tornar o continente mais representativo e melhor apetrechado para dar resposta aos desafios e oportunidades que o mundo enfrenta.

O Vice-Presidente da República, que discursou ontem durante o debate geral, destacou a reforma no seio da ONU e referiu que a 70ª Assembleia Geral da Organização é uma ocasião que devia constituir incentivo adicional para acelerar as reformas na organização.

Manuel Vicente disse que o mundo necessita de uma organização capaz de promover a paz e segurança internacional, de agir com celeridade e eficácia em situações de conflito e dar resposta aos desafios actuais e emergentes.

“Ao assinalarmos este aniversário, temos presente o papel e responsabilidades da organização, enquanto fórum privilegiado na busca de soluções para a preservação da paz, reforço da segurança colectiva, renúncia ao uso da força nas relações internacionais e respeito pela soberania dos Estados”, disse.

Angola e a Agenda 2030

Em torno da Agenda 2030, o Vice-Presidente da República reiterou o compromisso do país em adoptar medidas adequadas que fortaleçam a Agenda de Desenvolvimento das Nações Unidas e disse prever que nos próximos tempos a organização vai estar empenhada na avaliação de três processos: mulher, paz e segurança.

Além destes, disse, é também crucial a questão da operação de manutenção da paz e a arquitectura da sua consolidação. O Vice-Presidente disse que os Estados Membros, ao adoptarem a Agenda, reiteram as suas prioridades absolutas na erradicação da pobreza e da fome e promoção do desenvolvimento social e económico.

“A Agenda impõe uma parceria global e assumpção de compromisso de todos em relação às consequências nefastas das alterações climáticas, com a erradicação da pobreza, da miséria e a criação de oportunidades para todos”, disse.

Manuel Vicente falou ainda do drama que muitos seres humanos vivem com a deslocação forçada de milhares de seres humanos e disse que a situação espelha uma realidade confrangedora e um quadro degradante, ofensivo da dignidade humana, que exige resposta imediata e abrangente por parte da comunidade internacional.

O Vice-Presidente assegurou que apesar da conjuntura mundial, Angola continua empenhada no crescimento sustentado do país, daí estar a proceder à aplicação do seu Plano Nacional de Desenvolvimento, visando reabilitar e modernizar as infra-estruturas económicas e sociais a par da promoção do investimento público e privado, formação, qualificação e gestão adequada dos recursos humanos.

Manuel Vicente manifestou a sua preocupação com o aumento das actividades terroristas, perpetradas por grupos extremistas em África e noutras regiões do mundo e afirmou que o quadro constitui “um sério problema de segurança e torna imperiosa uma coligação mundial para combater tal flagelo”.

Apelo à paz

Ao longo do seu discurso de quase 20 minutos, o Vice-Presidente falou também da situação na República Centro Africana. “Angola apoia os esforços do Governo de Transição, visando repor a administração pública e reestruturar as instituições do Estado, ao mesmo tempo que encoraja todas as partes a respeitarem os compromissos assumidos no Fórum de Bangui, como pressuposto fundamental para a realização de um processo eleitoral inclusivo, pacífico e transparente”, sublinhou Manuel Vicente.

O Vice-Presidente saúda o recente compromisso entre o Governo do Sudão do Sul e a oposição armada. Sobre a Guiné Bissau, disse que ultrapassada a crise institucional, os recentes desenvolvimentos políticos mantêm a expectativa no processo virtuoso de crescimento económico e de estabilização política e social.

Ao referir-se ao Saara Ocidental, disse que a sua situação continua a preocupar Angola e apelou às partes a prosseguirem as negociações e a encontrarem uma solução mutuamente aceitável no quadro dos princípios da Carta das Nações Unidas.

Manuel Vicente manifestou-se preocupado com a situação que prevalece no processo que visa solucionar o conflito israelo-palestiniano e afirmou que Angola defende o reatamento de negociações conducentes a uma solução pacífica e duradoura, baseada em dois Estados, vivendo lado a lado em paz e segurança.

Em relação aos conflitos na Líbia, na Síria e no Iraque, o Vice-Presidente notou que exigem uma rápida resolução face às graves consequências humanitárias deles resultantes, sublinhando que as suas causas residem em violações graves de direitos fundamentais dos povos desses países e em ingerências externas.

Manuel Vicente falou do empenho de Angola, enquanto presidente da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos, na procura de soluções aos problemas que afectam a região, tanto no quadro bilateral como multilateral, bem como no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas e do Conselho de Paz e Segurança da União Africana.

O Vice-Presidente da República anunciou que face aos desafios da segurança que os Estados ribeirinhos do Golfo da Guiné enfrentam, o Governo angolano, com o apoio dos Estados Unidos e da Itália, vai realizar nos próximos dias em Luanda uma Conferência Internacional sobre Segurança Marítima e Energética, com vista a contribuir para uma resposta às ameaças de terrorismo e pirataria no Golfo da Guiné.

0 Comentários

Deixe um Comentário

  • Was this helpful?

  • No Very
  • Enter Word Verification in box below •

    Captcha Image

Sobre Nós

A representação do Consulado Geral de Angola abrange nove Estados arnericanos, desde do Sudeste ao Sudoeste dos Estados Unidos, nomeadamente os Estados da Alabama, Arkansas, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Florida, Georgia, Louisiana, Mississippi, Novo Mexico, Oklahoma, Tennessee e Texas.

Phone: 1-713 212 3840

Nossa Equipe

Copyright © 2015 | Elite Management Solutions